Galeria Luciana Brito

Alex Katz

  • 1/6

Nas duas mostras que a Luciana Brito Galeria promove em 2014, são apresentados, pela primeira vez no Brasil, aspectos da pintura de Alex Katz que o situam entre os mais importantes artistas da atualidade.

Para além de convenções que a interpretam sob a óptica do chamado novo realismo norte-americano, ou dos procedimentos caros à pop art que ele adiantou, sua obra merece ser vista, acima de tudo, pelo rigor técnico e apuro de estilo: com extrema economia e imagens que sabotam uma leitura apressada, Alex Katz investiga agudamente tanto a natureza da expressão pictórica quanto a das relações humanas. Em meio à atmosfera de elegância ou à precisa atenção às luzes, subjaz sempre um comentário sobre temas como nossa experiência sensorial, o potencial poético da pintura, e o lado performativo das relações interpessoais.

Apesar das numerosas retrospectivas e exposições individuais em instituições como Whitney Museum, Guggenheim Bilbao, Albertina Museum e MoMA PS.1, e de ser tema de aclamados ensaios de críticos como Hans Belting e Robert Storr, Alex Katz até hoje só realizou uma mostra solo no Brasil, em 2010, quando a Luciana Brito Galeria apresentou obras sobre papel. Agora, pouco antes da inauguração de sala individual no acervo da Tate Modern, a potência do artista se revela mais inteiramente ao público brasileiro.

 

Sobre o artista

Nascido no Brooklin, Nova York, em 1927, Alex Katz era filho de um comerciante e uma atriz com forte interesse por poesia, ambos de origem russa. Em 1946, ingressou na Cooper Union Art School. No início da década de 60, influenciado pelo cinema, televisão e publicidade, passa a pintar em larga escala, interesse que ele funde a sua dedicação ao retrato. Com mais de 200 exposições individuais e quase 500 mostras coletivas em sua carreira, Alex Katz tem trabalhos em mais de uma centena de coleções, como as do Carnegie Museum of Art, Metropolitan Museum of Art, MoMA, Whitney Museum of American Art, Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Tate Gallery, Philadelphia Museum of Art, Guggenheim Bilbao, Brandhorst Museum, em Munique, Alemanha, e Albertina Museum, Viena.

sp-arte: 3 a 6 de abril

 

galeria: 8 de abril a 24 de maio